Pular para o conteúdo principal

SANTA LETÍCIA


Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.


Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.


Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares e o samba-enredo dos blocos e escolas no carnaval. Recebeu, da câmara dos vereadores, o título de Cidadã Benemérita, mesmo não tendo feito benemerência alguma. Nos dias cívicos, subia ao palanque e fazia sombra ao poder constituído. Sem que soubesse, pois provavelmente a coisa se articulava na surdina para lhe fazer surpresa, era tida como certa a aprovação da mudança do nome do município para Leticiópolis.


Para Letícia, só boas novas. Que não viessem a ela com problemas e aborrecimentos. Poupassem-na de boletins com notas menores que dez, da morte súbita de entes queridos, do furacão em Guadalupe e suas 2774 vítimas. Para o olhar e a degustação de Letícia, só as bem-aventuranças, os objetos desinfetados e as obras-primas consagradas pelo tempo. Só os heróis condecorados por ações de bravura, só o mais entorpecente incenso da Pérsia. Conhecer Letícia e jogar-se sem reservas aos seus pés era o ticket para o paraíso. Para isso organizavam excursões e vigílias à sua porta, na esperança de vê-la de relance. E nessa tietagem havia respeito, pois ninguém ousaria pedir-lhe um autógrafo ou uma foto ao seu lado. Sabiam que Letícia era exclusiva das molduras e altares, a ela faziam novenas e promessas embora ninguém a tivesse nomeado padroeira ou benfeitora. Na verdade, daquela boca de 28 anos quase ninguém ouvira palavra, e quanto mais muda Letícia mais ensurdecedora era a sua adoração.


Quando souberam que naquela manhã havia sido vista, sem motivo aparente e por um cochilo do querubim estrábico, nas imediações da estação ferroviária, correram esbaforidos o bispo, o promotor de justiça, o prefeito safenado, o grão-mestre, o diretor do colégio e o presidente do clube. Mas o trem chegou mais rápido e a encontrou nua, deitada nos trilhos.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Pobre priosioneira de suas virtudes e desejos.

    Como sempre, um belo texto. Parabéns Marcelo!

    ResponderExcluir
  2. João Batista8:34 AM

    achei um espetáculo. Muito bem bolada. Parabens!!! Feliz fim de semana.

    ResponderExcluir
  3. Maria Ester Esteves8:36 AM

    Uma poesia!...

    ResponderExcluir
  4. Amarrada a uma santidade que ela nunca alimentou, não suportou a pressão de ser a virtude em carne e osso. Deve ter se apaixonado por alguém e, sabendo que o carimbo da impureza seria impiedoso, permitiu-se mostrar sua intimidade física antes de partir. Desde então, a lenda só fez aumentar.
    Genial!!! prbs.
    em tempo: teve texto A/C DO SETOR DE RH no jornal de hoje.

    ResponderExcluir
  5. Rosa Pena3:10 PM

    um miniconto dos bons!
    beijos e feliz natal meu amigo
    rosa

    ResponderExcluir
  6. Celi Gustafson Estrada3:11 PM

    E daí, o que aconteceu?
    Abraços,
    Celi

    ResponderExcluir
  7. Eduardo Lara Resende3:12 PM

    Inspirador, meu caro Marcelo. E inspirado. Sem retoques - e Santa Letícia que vá relevando, se puder - meus parabéns!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Maria Inês Prado3:15 PM

    Marcelo,

    Boa tarde.

    Gosto do seu jeito de surpreender o leitor. Ótimo!!


    FELIZ NATAL!!

    ResponderExcluir
  9. Ana Christina Victorelli5:55 AM

    Quantas Leticias pela vida ou quantas vidas tranformadas em Leticias... De fato, só ob os trilhos do trem ou das drogas; o trem é mais eficaz... Bjos, aaadoreeiiiiiii !!!!!! Bjos

    ResponderExcluir
  10. Evelyne10:20 AM

    A adoração negou a vida a Letícia em seu texto ágil, bonito e suave, apesar do final trágico. É sempre um prazer ler você. Beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
  11. Sandra Nogueira6:20 AM

    oi amigo, que beleza de texto, não canso de elogiar. Essa ironia fina é o máximo.
    um grande abraço

    ResponderExcluir
  12. Ana Maria6:21 AM

    coitada dela?
    Né?

    ResponderExcluir
  13. Letícia desarmada, sem palavrão, cumpriu tudo à risca, passou a régua, sem botão.

    Antes ela do que eu... ;)

    Luciana

    ResponderExcluir
  14. Belvedere Bruno3:27 PM

    Chocante! Inusitado! Nota MIL. 1000000000000000000000000

    ResponderExcluir
  15. Marco Antonio Rossi3:28 PM

    antes nua nos trilhos, que nos bordéis das bocas da vizinhança.
    santa.........
    Abç
    Rossi

    ResponderExcluir
  16. Cristina Siqueira11:22 PM

    Oi Marcelo,

    O melhor conto seu,dos que li até hoje.Meio Garcia ´Marques.Fluido,gostoso,delicioso.
    Parabéns

    Cris

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…